Vida em construção

DSC00687.jpg

 

Vida em construção

Edificamos nossa vida
sobre o fundamento genético
e o útero social
no qual crescemos

Sofremos influências
culturais
religiosas e morais
as mais diversas

Somos
em certa medida
os próprios artífices
da nossa vida

Porém a despeito desta herança
e dos nossos esforços pessoais
haveremos de permanecer sempre
uma obra inacabada!

Lothar Carlos Hoch,
Praia da Pinheira, 15/11/2014

Anúncios

O mistério da graça de Deus

IMG_3229

O mistério da graça de Deus

Senhor,
tu és um Deus insondável
e eu creio que tu sejas
a origem e o artífice da vida

Senhor,
tu és um Deus misterioso
ainda assim
eu creio que sejas a fonte
do bem, do belo e de toda inspiração

Senhor,
tu és um Deus distante
não obstante
eu creio que tu estejas próximo
de todos os crentes
e de todos os sofrentes.

Lothar Carlos Hoch
Praia da Pinheira, 12/02/2017

Fragrâncias do Espírito

maria gloria foto

Fragrâncias do Espírito

As fragrâncias do Espírito
os visionários
os profetas
os artistas
e os poetas
as intuem em noites de angústia
em momentos de inspiração
e lhes dão expressão
nas manhãs primaveris

O dilema
é testemunhá-las
sem capturá-las
e dar-lhes forma
em mediações
incapazes de contê-las

Dar-lhes uma expressão científica
ordenada e lógica
segundo parâmetros estabelecidos
seria domesticá-las

Eis que
as fragrâncias do Espírito
têm suas formas
e seus momentos próprios
para se comunicar
com as mentes
e as almas sensíveis
que, ao invés
de pretender decifrá-las
e ordená-las,
se rendem ao mistério
que elas contêm.

Lothar Carlos Hoch
São Leopoldo, 28 de agosto de 2008

Mãe terra

DSC00579

Mãe terra

Mãe terra, terra mãe!
Em teu seio me concebeste
E de forma maravilhosa
Me nutres e sustentas

Mãe terra, terra mãe!
A ti estou ligado
Até às minhas entranhas

Sou incapaz de aquilatar
E muito menos de entender
Toda riqueza da tua maternidade divina.
Não obstante, creio na generosa
Graça do nosso Criador

Assim, quando minha hora chegar
Quero com serenidade e gratidão
Ao seio da terra retornar

Crente de que mais acima, nas alturas
E na profundidade abismal
Há um poder que a ambos sustenta e guarda

E este fato misterioso e maravilhoso
Nos torna em entes irmanados,
Pois tanto nós os viventes, quanto a mãe terra,
Somos dependentes de um Mistério
Infinitamente maior do que nós!

 

Lothar Carlos Hoch
Praia da Pinheira, 11/10/2013

Envelhecer

 

Envelhecer

A pessoa idosa revive na primavera
E, quando a natureza está em flor,
Recorda os bons tempos da juventude

A pessoa idosa se alegra
Com o calor aconchegante do verão
Que aquece seus pés e sua alma

O outono lhe proporciona o prazer
De poder colher os frutos maduros da macieira
E apreciar o crepúsculo do sol ao entardecer

O inverno, ah o inverno!
Os dias curtos, as noites longas,
O cobertor que não aquece…
O desejo latente de não mais acordar

A pessoa idosa
– Vou o percebendo aos poucos –
Carrega tanto em seu corpo
Quanto no interior da sua alma
Todas as estações!

L.C.Hoch
São Leopoldo, 09/09/2013

Cegueira

DSC02408

Cegueira

“Dá-nos olhos claros
Para ver nosso irmão”
Dá que não só em momentos raros
Nos recordemos desse refrão

O apóstolo bem nos diz
Que não enxergamos além do nariz
Roguemos a Deus que nos instrua na arte
De não ver apenas em parte

Muitos que se consideram sábios
Não passam de alfarrábios
E quanto mais se enaltecem
Tanto mais como tolos se parecem

Sejamos, pois, humildes de coração
E tenhamos olhos para o nosso irmão
Isso agrada ao Senhor
Que entregou sua vida por amor.

Lothar Carlos Hoch
Praia da Pinheira, 26/08/2016

Aconchego interior

34

Aconchego interior

Surpreende-me que
de forma crescente
ando me visitando
a mim mesmo

Percebo que
não encontro
a harmonia interior
pela qual anseio

Não obstante, aos poucos,
vou me sentindo
mais à vontade
em minha própria pele

Seria isso um aperitivo
do aconchego e da paz
que a eternidade
nos reserva?

LCHoch São Leopoldo 19/02/2014

Crepúsculo de outono

DSC08386

Crepúsculo de outono

Nuvens escuras passam rápidas
Pelo céu de outono
disputando espaço com o sol
que só por instantes dá o ar de sua graça
e volta a ser eclipsado.

Nesta estação é impossível prever
o que o tempo nos reserva!

Com a mão apoiada na bengala,
Seu Manoel é perturbado
pelo ritmo frenético de carros e de pedestres
que circulam pela rua e pela calçada à sua frente,
e pelo tic-tac impassível do velho relógio de parede
que do interior do lar de idosos
ecoa impiedosamente em seus ouvidos cansados

O cheiro de comida caseira
vindo da cozinha
traz à lembrança o lar onde nasceu

E eis que vem a sua mente a imagem da mãe
a preparar ovos mexidos com lingüiça e torresmo
e o aroma de uma taça de vinho caseiro

Enternecido pela saudade,
Seu Manoel é surpreendido
pela presença da atendente do lar de idosos
que o lembra de que
suas fraldas precisam ser trocadas novamente

A propósito, bem dizia o sábio antigo:
“Entre fezes e urinas nascemos
e entre fezes e urinas morremos”!

A sabedoria bíblica, por sua vez, aposta que:
“Não temos aqui morada permanente
mas buscamos a que há de vir”

E ali, encostado às grades do lar que o acolhe,
mais intuitiva do que racionalmente,
Seu Manoel percebe que,
enquanto o velho relógio de parede
dita o ritmo do seu cotidiano,
o palpitar da vida lá fora passa de largo por ele

Por um instante,
o semblante do seu Manoel se transfigura
e sua alma se agita
nas profundezas do seu ser…

E, entre as brumas do tempo,
lhe vem a pergunta:
“Onde está o meu lar?
Estaria no passado, no presente, no futuro…?

Ou seria o lar fugidio
como o sol de outono
que se esconde atrás das nuvens
e só por breves instantes
nos dá o ar da sua graça…?

 

Lothar Carlos Hoch
São Leopoldo, 19-03-2014

 

Estações do tempo

DSC01132

Estações do tempo

Tudo tem seu tempo certo sob o sol
Diz o sábio através das Escrituras
De tal modo que existe tempo de rir
E tempo de chorar

Tempo de semear
E tempo de colher;
Tempo de abraçar
E tempo de se afastar do abraço

Proclama igualmente o sábio
Que há um tempo de amar
E um tempo de odiar
Um tempo de guerra
E um tempo de paz

Em vista disso
Eu não deveria desprezar a vida
Mas ser grato por ter nascido
E pelo privilégio de poder viver

Ainda assim, não devo olvidar
Que o tempo que me oportunizou
O privilégio de nascer e de viver
É o mesmo que
Haverá de me devorar!

Lothar Carlos Hoch
Praia da Pinheira, 19/01/2014